Mais duas classes entram na disputa da Semana Internacional de Vela de Oceanos de Ilhabela

Mais duas classes entram na disputa da Semana Internacional de Vela de Oceanos de Ilhabela

A Semana Internacional de Vela de Ilhabela 2021 terá mais duas classes na raia do litoral norte paulista, de 24 a 31 de julho. O maior evento da modalidade da América do Sul incluiu no programa de regatas as categorias Multicascos e Mini Transat. A competição deve reunir mais de 100 barcos.Multicascos e Mini Transat se unem às classes ORC, RGS, Bico de Proa, Clássicos, C30 e HPE25 nas regatas. O primeiro dia de provas será no domingo (25) com a Alcatrazes Por Boreste – Marinha do Brasil, acompanhada pela Toque-Toque por boreste e Renato Frankenthal.A entrada das novas classes de barcos aumenta ainda mais a diversidade da Semana Internacional de Vela de Ilhabela, que oferece aos participantes correr regatas ao lado de atletas profissionais, olímpicos e amadores.Com a oficialização de Multicascos e Mini Transat, a Semana de Vela de Ilhabela amplia ainda mais sua presença nacional e internacional, já que as classes têm velejadores espalhados pelo país e principalmente no Nordeste.”Correr a Semana de Vela de Ilhabela é uma grande oportunidade para os velejadores terem contato com todos da vela de oceano do Brasil. É um grande encontro, com muita festa e regatas de alto nível”.”São veleiros muito competitivos na mesma raia de equipes amadoras, que buscam mais conhecimento do próprio barco e diversão. Mas quando dá a largada, todos querem sair vencedores no final”, explicou Mauro Dottori, velejador do Caballo Loco e organizador da Semana Internacional de Vela de Ilhabela.A classe Mini Transat já fez parte da Semana de Vela de Ilhabela, mas a partir de 2021 entra com mais veleiros inscritos. São quatro confirmados até o momento: Xavantes, Blood Bones, Jacaré e Daddy-O.”Estou muito contente de correr a Semana de Vela de Ilhabela, que será uma preparação para a campanha brasileira da Mini Transat de 2023. É uma regata que disputei várias vezes, mas agora será solo”, disse Jonas Gomes, do Blood Bones.O velejador de Ilhabela (SP) está fazendo o mesmo caminho de alguns brasileiros entre eles a Izabel Pimentel e Kan Chuh. Outros como Gustavo Pacheco, Roberto Hokzhacker e Sergio Vinícius também já estiveram na regata Mini Transat.A classe 6.50 é formada por veleiros de 21 pés, próprios para longas travessias oceânicas e resistente às condições mais severas do clima.”É um barco seguro e veleja com velocidades extraordinárias, atingindo 13 nós e surfando muito. São veleiros construídos para regatas de percurso, como o nome já diz, mini transatlântico. Quem olha de longe pensa que não vai sair do Canal de São Sebastião, mas eles são muito bem construídos, a maioria veio da França por mar pra cá”, explicou José Carlos Rodrigues de Souza, o Crispin, presidente da categoria no Brasil.O Estado da Bahia concentra o maior número de veleiros no país. Contando veleiros prontos e em fabricação, são quase 20 espalhados no Brasil. O Mini foi desenvolvido na França em 1977 e foi criado para permitir que uma pessoa faça regatas transoceânicas. É um veleiro de 6.5 metros por 3 de boca. Existem os barcos tipo série e os protótipos, que são de carbono.”A regata tem uma visibilidade e importância sedutora para quem gosta de oceano. A classe é jovem no Brasil e é motivo de orgulho para nós corrermos a Semana de Vela de Ilhabela”, completou José Crispin.MulticascosA Multicascos, como o nome já diz, é formada por veleiros de dois ou mais cascos em paralelo, como os famosos catamarãs e trimarãs. A diferença principal para os barcos tradicionais é que, com dois cascos, o veleiro não aderna quando aumenta o vento e isso os tornam mais rápidos.É uma embarcação com geometria estabilizada, derivando sua estabilidade de seu feixe largo, ao invés de uma quilha com lastro, como acontece com um barco monocasco. Em 2021, a Multicasco, que tem loa mínima de 28 pés, deve ter até cinco equipes confirmadas.”É um evento que contribui para o crescimento da vela brasileira. Agradecemos ao Yacht Club de Ilhabela e toda a comissão de regatas em nome da classe por todo trabalho bem feito de organização”, disse Armando de Oliveira, do D4.”É a primeira grande regata que vamos fazer! Estamos esperançosos. Todo mundo que está com um barco novo deve fazer uma prova dessas para aprender. Principalmente os principiantes, porque a regata ensina a velejar. Livro e computador não ensinam a velejar, conhecer o mar”.O objetivo dos velejadores da Multicasco é ter cada vez mais participantes em Ilhabela. O número de catamarãs cresce no Brasil, mas a maioria não corre regatas porque não as conhece. ”As regatas são indispensáveis para conhecer seu barco e aprender a velejar. É a melhor escola, toda vez vai melhorando, e claro aumenta seu prazer de velejar”.”A expectativa é ter primeiro vento bom, a segunda ter bastante concorrentes para dar uma boa briga para ser emocionante e a terceira, claro, é ganhar na classe Multicascos”, contou Benoit Joufflineau, do catamarã Maré XX.InscriçõesAs inscrições para a 48ª edição da Semana Internacional de Ilhabela estão abertas para as regatas de 24 a 31 de julho no Yacht Club de Ilhabela (YCI), em parceria com a Prefeitura de Ilhabela.As inscrições são feitas pelo site www.sivilhabela.com.br para os veleiros nas categorias ORC, RGS, Bico de Proa, Clássicos, C30 e HPE25. O evento também terá regatas virtuais, como no ano passado, e rígido protocolo de segurança em função da COVID-19.O acesso ao Sistema de Inscrições está disponível desde 18 de junho até o dia 19 de julho. O valor do pagamento da taxa de inscrição do veleiro será definido no momento da inscrição.O simples cadastramento não garante nenhuma faixa de valor e sua inscrição só será efetivada após a quitação da inscrição.As regatas organizadas pelo Yacht Club de Ilhabela (YCI) têm parceria histórica com a Prefeitura local. O comitê está alinhado com as autoridades de saúde para entregar um evento de alto nível e que atende aos protocolos de segurança oficiais relacionados à COVID-19. Será exigido teste de PCR com 72 horas de antecedência para o credenciamento.A última regata presencial foi realizada em 2019, com mais de 120 veleiros de todo o país e nações vizinhas. O evento em sua versão virtual teve realização do Yacht Club de Ilhabela e organização da Tribu Live Marketing e Full Time Eventos e Turismo.