Mais de 2 milhões de bitucas já foram coletadas em Ilhabela

Mais de 2 milhões de bitucas já foram coletadas em Ilhabela

O projeto Ilhabela Sem Bitucas já alcançou a incrível marca de 2 milhões de bitucas de cigarro coletadas na cidade, por meio dos 141 pontos de coletas espalhadas no município. As caixas coletoras e totem com cinzeiros de bambu estão localizadas nas praias, pontos de ônibus, Prefeitura, Unidades Básicas de Saúde, Hospital Municipal e principais pontos turísticos de Ilhabela. Além dos pontos de coleta, são realizadas, frequentemente, ações de mobilização para promover a consciência ambiental sobre o descarte correto das pontas de cigarro, como a que foi feita no último domingo (28/11), nas praias do Curral, Praia Grande e Portinho, região sul do município. Durante a caminhada nas praias, uma banda ia tocando músicas para chamar a atenção dos turistas e moradores, onde eram abordados e podiam conhecer mais sobre o projeto, a importância do encaminhamento correto das bitucas nas caixas coletoras, além de informações sobre a toxicidade das pontas de cigarros, como por exemplo, que duas bitucas em um litro de água equivale a um litro de esgoto. O Instituto Argonautas esteve presente na ação na praia do Curral, com a exposição de uma tartaruga que morreu com resíduos de plástico e bitucas no seu estômago. A ação de mobilização na praia do Curral foi realizada em conjunto com a ação de mobilização liderada pelo restaurante Tartaruga Mar e Vida. O programa “Ilhabela Sem Bitucas” conta com apoio da Prefeitura de Ilhabela e tem parcerias das empresas Poiato Recicla e Flow Sustentável e existe em Ilhabela desde 2018. Mensalmente a empresa Poiato Recicla realiza a coleta de bitucas e encaminha para a sua usina de reciclagem, localizada em Votorantim. Neste local as bitucas recebem um tratamento, baseado numa tecnologia desenvolvida pela UnB (Universidade de Brasília), para retirar todas as substâncias tóxicas. O resultado desse processo é uma massa celulósica, sem nenhuma toxicidade, usada para fazer papel artesanal. Esta massa é entregue para a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Ilhabela (APAE) e aos artesãos locais, que produzem materiais, o que gera renda. No final do mês de outubro deste ano, o secretário de Meio Ambiente de Ilhabela, Xico Graziano e representantes da Poiato Recicla, deram mais um passo para o programa e fizeram a instalação do primeiro Ponto de Entrega Voluntária de Bitucas (PEV) do Brasil, instalado na sede do Aterro Municipal, localizado na Água Branca.