Vereador nega racismo, cita perseguição e afirma que o caso foi arquivado pelo Ministério Público

Vereador nega racismo, cita perseguição e afirma que o caso foi arquivado pelo Ministério Público

Em resposta a matéria publicada na edição nº 329 do jornal Tribuna do Povo — em que o vereador José Pereira da Silva (Zé Preto) questionou o motivo para que o vereador Raul Coirdeiro o desrespeitasse e a seus eleitores (“É por que eu sou pedreiro, porque sou negro?”— o vereador Raul Cordeiro afirmou serem inverdades manipuladas e tenebrosas da história da política na cidade. 

O vereador também afirmou que a entrevista concedida por Ze Preto “[…] tentava coroar uma difamação contra mim enquanto eu exercia minha função como Vereador na Casa de Leis”.

Raul alega que de maneira equivocada foi chamado de “transtornado” ao questionar os nobres pares do porquê dois requerimentos de minha autoria foram reprovados na Sessão Ordinária do dia 8 de março de 2022, na Câmara Municipal. Segundo ele, “um requerimento nada mais é que um pedido, uma solicitação de informação e, como fiscalizador dos atos do Executivo, questionei sobre providências que deveriam ser tomadas quanto aos serviços prestados pela empresa de transporte coletivo da cidade que, apesar de ganhar R$ 8,16 por passageiro, transita com ônibus superlotados, fora do horário e com rampas de acesso aos cadeirantes que nunca funcionam e valores do Carnaval 2022”.

De acordo com o vereador, “esses dois requerimentos foram reprovados pelos colegas Vereadores durante a sessão e, por esse motivo, não teremos as respostas das questões acima. Durante o uso da tribuna, que é o momento reservado para explanação, questionei os senhores Vereadores sobre a conduta dos mesmos, que foi de reprovar uma solicitação de informações”.

Raul Cordeiro esclarece ainda que, ao se dirigir ao senhor Vereador José Pereira da Silva (PDT), foi claro em minhas palavras, ao questionar o posicionamento do nobre Vereador ao votar conforme o “comportamento de manada” que, segundo a psicologia, são situações em que indivíduos em grupo reagem todos da mesma forma, embora não exista direção planejada. Raul salientou ainda que Ze Preto não foi o único Vereador a que ele cobrou posicionamentos durante o uso na tribuna. “Logo, o senhor Vereador José Pereira da Silva não foi o único citado”.

“Fui chamado de racista ao distorcerem, completamente, uma fala sobre cobranças do cumprimento do dever de um Vereador. Arquitetaram uma tentativa de destruir minha moral perante a população, me difamando sobre um assunto que em nenhum momento foi colocado em pauta. E, se estivesse em pauta, as palavras que sairiam de minha boca eram que eu sou completamente avesso a qualquer ato/palavras/ações de racismo ou discriminação contra qualquer ser humano.”

“Instrumentalizaram uma das maiores lutas em todo o mundo, a luta contra o racismo, para que alguém fosse vitimizado e para que o foco não fosse dado ao que realmente importa: porquê meus requerimentos foram reprovados? Quais são as informações que eu não posso ter acesso? Sai a trama e entram os questionamentos.”

“Fui acusado ainda de votar contra matérias em benefício da população. É mentir a! Recentemente, votei contrário ao aumento no salário do prefeito, vice-prefeito e secretários municipais em 27,22% e também contrário à reforma administrativa por entender que a população e os servidores públicos municipais não seriam beneficiados. Aproveito a oportunidade para agradecer às inúmeras manifestações de apoio que recebi nos últimos dias, inclusive, de pessoas […] que aguardam um posicionamento sobre o assunto.

“População de Ilhabela: todo o meu árduo trabalho é para que tenhamos uma qualidade de vida melhor, com prestação de contas aos moradores de uma das cidades mais ricas do país que têm o direito, previsto em Constituição, de saberem onde está sendo investido o dinheiro público.No mais, me coloco à disposição para sanar eventuais dúvidas”, finalizou o vereador Raul Cordeiro.